PALAVRA DO PASTOR

Pr. Dalmo Barreto Ribas

Pastor Titular da Igreja Presbiteriana Betel

Menos é Mais

MENOS É MAIS: UMA IGREJA SIMPLES EM UM MUNDO COMPLICADO


“...o qual é realmente a menor de todas as sementes. Mas, depois de ter crescido, é a maior das hortaliças...”mas, depois de ter crescido, é a maior das hortaliças...”

(Mt. 13.31-32)


Menos é mais. Esta expressão se tornou bastante popular em nossa cultura de excessos e de complexidades. Um bom músico têm aprendido que saber muito e aplicar somente o necessário de sua técnica e conhecimento a uma apresentação revela um controle, equilíbrio e sensatez que distingui os verdadeiramente bons dos que têm necessidade de mostrar aos outros que são bons. Um chefe de cozinha, da mesma forma, sabe que o excesso de ingredientes e sabores pode comprometer seu menu, transformando um jantar ou almoço incrível em uma experiência no mínimo indigesta. Entre estes e vários outros exemplos que poderiam ser dados, percebe-se a mesma mensagem. “Menos é mais”.

No entanto, o mais interessante ao tratarmos deste tema é observar que esta sempre foi a mensagem de Jesus Cristo e do evangelho. O grão de trigo é a menor das sementes, mas depois de crescido é a maior das hortaliças (Mt. 13.31-32). “Menos é mais”. Quem quiser ganhar a sua vida a perderá. Mas quem perder a sua vida por ele e pelo evangelho irá acha-la. (Mt. 10.39). “Menos é mais”. Ele se esvaziou e se fez carne habitando entre nós para nos tornar filhos de Deus, e para morrer por nós perdoando nossos pecados (Jo. 1.12, 14). “Menos é mais”. Ele ensinou que quem quiser ser o maior, deve ser o menor servindo aos outros (Mt. 20.26-27). “Menos é mais”. Quem quiser ser cheio do Espírito Santo deve sujeitar-se aos outros no temor de Cristo (Ef. 5. 18-21). “Menos é mais”. 

Enfim, em um mundo cada vez mais complexo e complicado, sobretudo, por causa do pecado que afeta as relações humanas e o relacionamento com Deus, e tudo o mais neste mundo caído, a mensagem para a igreja é na verdade um apelo para vivermos uma vida mais simples. Como indivíduos, servos de Cristo, precisamos nos lembrar que não precisamos pautar nossas vidas pelos valores daqueles que não conhecem a Deus. Não seremos necessariamente mais realizados, felizes e plenos se posssuírmos mais coisas. Não seremos bem sucedidos apenas por acumularmos realizações e troféus do reconhecimento humano. A plenitude de um coração esta muito mais em quem o habita do que naquilo que ele possui. Somos morada do Espírito ou sinagoga de Mamon?! Servimos ao “Senhor dos senhores” ou somos senhores de nossos próprios corações?! Ainda como igreja precisamos nos lembrar que a oração deve vir antes da ação. A piedade antes da atividade. O relacionamento (com Deus e com o próximo) antes da religiosidade. A contemplação antes da conexão. O testemunho antes da publicidade. O serviço antes do ser visto. Que Deus nos dê a graça de experimentarmos nesse ano que se aproxima “mais do MENOS e MENOS do mais”. 

Que sejamos mais simples diante de um mundo tão complicado!!!


Que Deus o abençoe e seja sua esperança!


PALAVRA DO PASTOR

Pr. Andrey Medina

Pastor Auxiliar da Igreja Presbiteriana Betel

Menos “para mim”, mais “através de mim”

  

O que você deseja para 2018? Alguns desejam melhorar de vida, talvez trocar de carro, de casa, ou ainda, ter uma vida mais saudável. Sabemos que não há pecado algum em fazer planos. Desde que sejam desejos lícitos, podemos sonhar, planejar e ir em busca de conquistas. Apesar disso, gostaria de te chamar a pensar um pouco além. Tenha você uma lista real ou não de sonhos e metas para 2018, é importante avaliarmos se o que temos buscado faz parte da agenda de uma Igreja que almeja ser relevante em seu tempo. 

Já sabemos nosso tema para 2018. “Menos é mais: uma igreja simples em um mundo complicado”. Diante disso, podemos notar que a proposta do Evangelho, por muitas vezes, nos desafiará a pensar menos em nós mesmos, e mais em nosso próximo. Menos no que podemos receber, e mais no que estamos dispostos a ofertar. Em face da complexa e desafiadora relação social em que se vive atualmente, temos à nossa frente não só um desafio, mas uma grande oportunidade de, através das nossas vidas, anunciar ao mundo os valores do Reino de Deus.

Ou seja, num mundo que prega o individualismo e a lei da sobrevivência, somos chamados a proclamar o auxílio e o companheirismo. Em meio ao egoísmo, nossa mensagem deve ser de generosidade e altruísmo. Isso é o que se espera que aconteça dentro da igreja, e que extrapole para além de seus limites. Que possamos viver o Evangelho na prática, como disse o apóstolo João em 1 João 3.16: “Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós; e devemos dar nossa vida pelos irmãos.”

Nós sabemos do que o mundo precisa. Mas para isso é necessário que eu pense menos em mim mesmo, menos nas minhas coisas, menos em meus desejos. Que em 2018 Deus realize mudanças, transformações, restaurações e outras maravilhas, sejam elas grandiosas ou pequenas. Pois o que realmente importa é que estejamos dispostos para que aconteçam através das nossas vidas. Esse é o desafio do Evangelho para todos nós: Menos “para mim” e mais “através de mim”.